terça-feira, 26 de setembro de 2017

Padre morto com 29 facadas manteve relação sexual com suspeito, diz delegado

Padre Pedro foi assassinado em Borborema

Foi concluído na sexta-feira (22) e remetido à Justiça o inquérito sobre a morte do padre Pedro Gomes Bezerra, morto com 29 facadas no dia 23 de agosto, dentro da casa paroquial do município de Borborema, a 135 quilômetros de João Pessoa. No processo, são confirmados os autores do crime, um ex-coroinha da paróquia e um adolescente de 15 anos. Além disso, ficou estabelecido que o ex-coroinha e o padre tiveram relações sexuais antes do crime. Quem diz é o delegado responsável pelo caso.

Conforme o delegado Diógenes Fernandes, que investiga o caso, o ex-coroinha foi indiciado por latrocínio, por ter matado a vítima e roubado o celular, e corrupção de menores. Já o adolescente foi indiciado por ato infracional e conduta análoga a latrocínio. 

Também segundo o delegado, com base no depoimento do adolescente, nas evidências do crime e na forma como o ex-coroinha ganhou confiança do padre à polícia tem convicção que houve relação sexual da vítima com o maior de idade momentos antes do crime.

“Temos convicção [de que houve relação sexual]. A relação sexual entre o ex-coroinha e o padre foi corroborada pelo depoimento do adolescente e pelo modo como o crime foi cometido. O ex-coroinha não via o padre há dois meses e decidiu voltar a ter contato com ele já na intenção de cometer o crime. Na noite do latrocínio, o padre foi buscar o ex-coroinha e o adolescente e os levou até a casa paroquial, onde houve o consumo de comidas, bebidas, o ato sexual e o crime em si. Tudo foi premeditado pelo ex-coroinha, que é o mentor intelectual”, afirmou o delegado.

A última pista sobre a localização que a polícia teve do ex-coroinha foi a apreensão do celular do padre, levado pelos suspeitos após o crime. 

“O celular do padre foi levado pelo ex-coroinha e ele o repassou por R$ 100 a um morador da fazenda do pai dele. Conseguimos localizar esse celular dez dias após o crime e indiciamos o comprador por recepção, mesmo ele não sabendo que o celular era roubado. Porém, continuamos sem saber onde o ex-coroinha está escondido e pedimos ajuda da população para que possamos prendê-lo”, concluiu o delegado.

Portal Correio

0 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial