Últimas Notícias

"A dor continua a mesma",diz mãe de Teixeira que perdeu dois filhos em acidente há três anos


Há três anos, um fato que mudou a história de uma família. Era dia 08 de janeiro de 2017, quando Zélia Alves de 48 anos recebeu a trágica informação que perdia naquele dia seus dois filhos, Welligton Alves dos Santos de 22 anos e Walyso Alves dos Santos de 23 anos, vítimas de um acidente nas proximidades do antigo posto fiscal, em Teixeira. 

O fato gerou muita comoção em toda a cidade e o sepultamento da dupla reuniu diversos teixeirenses. Passado todo esse tempo, Zélia Alves, afirmou em suas redes sociais que a dor da perda continua a mesma. Em um texto emocionante, a mãe afirmou que todos os dias pede forças para conseguir suportar os efeitos daquela trágica notícia que ainda se faz tão presente. 

Zélia lembra-se de muitos momentos vividos ao lado dos filhos e diz 'que o que tudo o que ela mais queria ao seu lado era seus filhos'. A mãe ainda abalada com o fato diz se recuperar e suportar a dor diariamente acreditando um dia rever seus filhos. 

Confira o texto publicado nas redes sociais por Zélia Alves nesta quarta-feira, 08.

"Hoje o dia acordou mais triste, há 3 anos atrás, Deus levou tudo o que eu tinha (Meus filhos), e essa dor continua do mesmo jeito, não muda, não tem solução, ninguém pode mudar ela, só Deus! Eu peço todos os dias pra Deus me dá força pra lutar, pois tenho uma filha maravilhosa, e uma neta, onde busco forças pra lutar todos os dias... Essa dor me rótula todos as horas... As vezes pergunto à Deus por que isso aconteceu na minha vida... Meus filhos era tudo o que eu mais queria agora, a vida é muito injusta... Fico feliz por que a morte não é pra sempre, e vou poder reencontrar vocês um dia, mais o que importa mesmo é o que carregamos dentro de nós, e eu carrego vocês junto comigo todos os dias. Às vezes as lembranças invadem meus pensamentos, e a saudade me toma as certezas, me preenche novamente com aquele vazio gigantesco e me tira do eixo, até que as emoções se assentem novamente.
De tudo que restou em mim, a coisa que mais se sobressaiu foi a dor. É verdade, o luto dói de tantas maneiras que eu não poderia jamais imaginar e que talvez eu jamais saiba descrever, mais saiba meus filhos, mamãe sempre vai amar vocês, vocês são minhas vidas".




Vitinho Galdino/ Teixeira em Foco