quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Policial militar da PB relata homofobia em rede social após usar fantasia em bloco

Elbo se fantasiou de Dálmata para o bloco "Virgens de Tambaú", em João Pessoa — Foto: Elbo Guedes/Arquivo Pessoal
Um policial militar da Paraíba relatou em suas redes sociais que foi vítima de homofobia depois que se fantasiou de dálmata para um bloco de carnaval, em João Pessoa. O bloco "Virgens de Tambaú" é tradicional na capital e propõe que homens se vistam de mulheres ou com qualquer outra fantasia que queiram.

Elbo Guedes, que está na corporação há 7 anos, relatou que algumas pessoas pegaram a foto dele fantasiado, em uma rede social, e uniram com outra foto dele fardado de policial militar. As fotos foram compartilhadas em um aplicativo de conversas e espalhadas em vários grupos.

Em nota ao G1, a Coordenadoria de Comunicação Social da Polícia Militar da Paraíba informou que, "até esta quarta-feira (19), a corporação não recebeu nenhum registro oficial nos setores responsáveis para analisar os fatos, que são a ouvidoria e a corregedoria. Como trata-se de situação de ordem pessoal, ou seja, que não foi referente ao serviço do policial militar, a instituição aguarda ser comunicada para trazer um posicionamento".

"Como todos os anos eu vou, esse ano eu fui com uma fantasia escolhida por um amigo meu que ia de Cruela (personagem) e eu e outro amigo de Dálmata. Uma fantasia simples, uma sunga de Dálmata com orelha de Dálmata", relata Elbo.

As imagens, conforme relata o PM, foram compartilhadas de forma pejorativa, com o objetivo de difamá-lo, "querendo colocar aquilo como um exemplo de reprovação". Elbo ressalta que estava de folga no momento do bloco, usando uma fantasia como qualquer pessoa que estava presente.

Em um dos compartilhamentos, uma pessoa envia as fotos e diz: "derrota é essa?". Uma outra pessoa responde em defesa de Elbo.

"Quem me conhece sabe do meu caráter, sabe o quanto eu respeito a instituição da qual eu faço parte, o quanto eu respeito os meus companheiros de farda, e o quanto eu não faria algo para expor a instituição na qual eu trabalho", explica.

Segundo Elbo, o incômodo das pessoas faz parte de uma "sociedade machista e preconceituosa que acha que o gay não pode estar onde ele queira estar".

"Você não vai me reprimir, nós temos o direito de estar onde a gente quiser, onde a gente bem entender, quer você queira ou não. A gente vai estar em todos os lugares", disse em um vídeo nas redes sociais


--:--/--:--

Whatsapp Button works on Mobile Device only