Últimas Notícias

Menina de 3 anos sobrevive à 3ª cirurgia cardíaca, pega Covid-19 na sequência e se cura 21 dias depois

A pequena Ester, de 3 anos, durante o isolamento na UTI. Ela apresentou os sintomas de coronavírus enquanto se recuperava de uma cirurgia no coração. — Foto: Arquivo pessoal
A família de Ester Trancoso Barreto sabia, antes mesmo de ela nascer, que se sobrevivesse até os 3 anos teria que passar por três grandes cirurgias no coração.

“Descobrimos ainda na gravidez que ela tem síndrome do ventrículo esquerdo”, explica a mãe, Elaine Trancoso. “Alguns médicos chegaram a nos dizer que a Ester não sobreviveria.”

A síndrome do ventrículo esquerdo é uma doença congênita em que o funcionamento do lado esquerdo do coração fica comprometido. “É como se ela tivesse somente um lado do coração”, explica o pai, Marcos Barreto.

Ester sobreviveu às duas primeiras cirurgias (a primeira foi quando ela tinha apenas 48 horas de vida e a segunda no terceiro mês) apesar de ter sofrido alguns AVCs (acidente vascular cerebral) em decorrência dos procedimentos cardíacos.

A última das cirurgias estava prevista para acontecer quando Ester tivesse entre três e quatro anos. Mas, em janeiro, quando a menina tinha ainda dois anos, exames mostraram que o coração dela estava inchado. Médicos disseram que era necessário marcar a cirurgia para março próximo.

“Mas aí nos esbarramos com a questão do coronavírus”, conta Marcos.

A equipe médica alertou que a criança, pelos problemas cardíacos, fazia parte do grupo de risco da Covid-19. Os pais tinham que tomar a decisão final de prosseguir com a cirurgia no coração de Ester.

“Os médicos tinham medo de a Ester fazer a cirurgia e ser infectada. Além disso, por causa do coronavírus, o hospital estava com pouco sangue e a Ester precisaria de doações para conseguir ser operada”, lembra o pai. “Não tinha o que fazer, o coraçãozinho dela precisava da cirurgia."

No dia 12 de março, a família, que é de Cariacica, no Espírito Santo, viajou para São Paulo e Ester foi internada no Hospital Beneficência Portuguesa para passar pelos procedimentos.

A cirurgia foi bem-sucedida, mas, no pós-operatório, a menina apresentou várias complicações respiratórias e tosse. “Achávamos que era consequência de ela ter ficado muitas horas entubada durante a cirurgia”, diz a mãe.

O quadro de Ester foi piorando até que, no quinto dia após a cirurgia, “o coração dela parou por várias vezes durante o dia”, conta Marcos, que estava com a filha no momento das paradas cardíacas.

Dois dias depois, a menina passou por um novo procedimento no coração, dessa vez para colocar um marcapasso.

O teste positivo

Ester, cardiopata, e a mãe, no isolamento. As duas foram contaminadas por coronavírus e se curaram. — Foto: Arquivo pessoal.
Elaine permaneceu no hospital para ficar ao lado da filha. No mesmo dia da cirurgia do marcapasso, percebeu que tinha perdido o olfato. “Mal sabíamos que era um sintoma de coronavírus. Mas, quando contei para a chefe da UTI que cuidava da Ester que eu estava sem olfato, ela imediatamente nos isolou e pediu testes de Covid-19.”

Tanto Ester quanto Elaine testaram positivo e ficaram isoladas na UTI por 10 dias, além de mais outros 11 dias isoladas no quarto de uma ala do hospital destinada somente a crianças que contraíram a doença.

“A Ester só via as pessoas de máscara, óculos, ela ficava em pânico, chorava muito. Eu comecei a chorar junto depois do quinto, sexto dia no isolamento”, lembra Elaine.

“Apesar de tudo, eu agradecia a Deus pela vida da minha filha e por estar isolada junto dela. Se eu não tivesse me contaminado junto, ela teria ficado sozinha.”

Os médicos, segundo a família, não sabem explicar se a contaminação ocorreu antes ou após a cirurgia.

Curada

Após 21 dias de isolamento e mais de um mês de internação, Ester refez o teste de coronavírus e veio a confirmação de que havia se curado.

Em 24 de abril, dia do seu aniversário de três anos, Ester e a mãe receberam alta hospitalar e puderam voltar para o Espírito Santo.

Antes de se despedir do hospital em São Paulo, o mesmo em que ela nasceu três anos antes, a menina ganhou um bolo para celebrar a cura.

“É sobrenatural a força dessas crianças, são anjos”, diz a mãe, falando que a história de vida da pequena Ester “daria um livro.”

Ester, cardiopata, de 3 anos, comemora a alta hospitalar após ser infectada por coronavírus. — Foto: Arquivo pessoal
Crianças e adolescentes infectados por coronavírus

Dados fornecidos pelo Ministério da Saúde ao G1 mostram que 304 crianças e adolescentes de 0 a 19 anos foram infectados por coronavírus até o dia 30 de abril. Destes, 30 morreram pela infecção.

Mortes por coronavírus em menores de 19 anos até o dia 30 de abril no Brasil:

1 e 4 anos: 2 mortes
5 a 9 anos: 1 morte
10 a 14: 6 mortes
15 a 19 anos: 12 mortes
Total: 30 mortes