terça-feira, 6 de outubro de 2020

Perícia aponta que a pequena Ketyli também era vítima de estupros, em Patos. Delegado dá detalhes do caso. Vídeos



A cidade de Patos está revoltada com o bárbaro assassinato de uma criança de três anos no começo da tarde desta segunda-feira, 05/10, na Rua Pedro Moura, no bairro Sete Casas, em Patos.

A pequena Ketyli Kawane Borges de Sousa, que fez três anos de idade no dia 19 de setembro, foi morta a socos, chutes na barriga e jogada contra a parede – um crime de muita brutalidade praticado pelo padrasto de nome Geraldo Júnior dos Santos, de cerca de 29 anos.

A mãe, Jéssica Borges de Sousa, de 21 anos, também foi presa. ” Ela não só permitia esse tipo de abuso, como também buscava uma forma de esconder o corpo e fazer com que o crime ficasse impune“, disse o delegado Adjuto Neto (veja vídeo abaixo).

As coisas se deram assim, de acordo com nossas fontes: A criança estava chorando e o acusado lhe deu um tapa. A menina caiu e ele começou a chutá-la. A menina começou a sangrar pelo nariz e pela boca e ele a atirou contra a parede por três vezes e saiu de casa. A menina ficou imóvel, a mãe percebeu que um dente dela havia caído e que a respiração da pequena estava fugindo. O Samu foi acionado, mas os socorristas constaram que a pequena Ketyli já estava em óbito.

Depois de agredir covardemente a menina, na presença da mãe, o acusado saiu de casa e tentou foragir, mas foi contido pelos vizinhos, que o agrediram a socos (vídeo abaixo). Só não foi linchado porque a polícia, que já havia sido acionada, chegou na hora e interviu. Ele foi preso.

Com frieza impressionante a mãe contou esses fatos narrados acima e disse que tinha muito medo dele, pois ele a ameaçava também.

Estupros 

O delegado Adjuto Neto, da Delegacia de Homicídios, disse que o corpo da pequena Ketyli Kawane passou por uma perícia e ficou constatado que ela também era vítima de estupros. Veja abaixo a entrevista com o delegado:




Casal se conheceu pela internet

Geraldo, o padrasto, é da cidade de Patos e esteve preso no Presídio Romero Nóbrega até recentemente por tentativa de homicídio na cidade de Coremas. Ele estava em prisão domiciliar.

Jéssica, a mãe, morava na cidade de Santa Luzia do Maranhão e veio para Patos recentemente morar com Geraldo. Eles se conheceram através de um aplicativo de relacionamento na Internet.

O corpo da criança segue no IML de Patos. As autoridades vão entrar em contato com a família da criança no Maranhão, para que o corpo possa ser liberado para traslado, velório e sepultamento.

O crime causa revolta na cidade de Patos.

Um vídeo que circula nos grupos do WhatsApp mostra o acusado ensanguentado depois de ser agredido pelos moradores revoltados com o crime bárbaro. “Se a policia não tivesse chegado a população ia linchá-lo”, disse um morador à Folha Patoense. 

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only